Aquele fone de ouvido superbonito e potente que você comprou, a sua escova de dentes, a luminária que fica ao lado da cama… A gente não para pra pensar muito nisso, mas tudo o que você usa no dia a dia foi pensado e projetado por alguém.

 

Esse profissional considerou as suas necessidades, desejos, reclamações e opiniões para criar um produto. –

 

Nesse post da Série Profissões, a vez é dele: o Design de Produto! Quem conversou com a gente sobre o curso foi o Rafael Serpa Gerchmann, de 24 anos, que está no final da graduação no Centro Universitário Ritter dos Reis (UniRitter), em Porto Alegre.

Também falamos com a Marcela Martins Costa Macedo, 25 anos, que cursou na Universidade do Vale do Itajaí (Univali), em Balneário Camboriú, Santa Catarina. Hoje ela mora em Blumenau e é Designer Sênior da Haco, empresa do segmento de etiquetas e identificação de roupas. Confere aí!

De olho no universo criativo

Desde o colégio, a Marcela e o Rafael já sabiam que a área criativa era a praia deles. A família do Rafael já era ligada às Artes e ele estava na dúvida entre Design e Publicidade e Propaganda. Quando acabou o Ensino Médio, tentou Publicidade na UFRGS, mas não passou. E parece que foi destino. Quando entrou para o cursinho, a ligação com o Design de Produto ficou evidente.

 

Comecei a me identificar com muitas coisas do Design, como móveis e luminárias. Conversando com a galera do cursinho, tudo fez sentido.”

 

6Esse é o Rafa! 🙂 Arquivo pessoal.

A Marcela também teve o apoio da família. Depois de muitos anos formada em Direito, a mãe dela voltou à Faculdade para cursar Moda. “Acredito que ela foi minha principal influenciadora”, conta.

11Desde pequena, Marcela já adorava desenhar. Arquivo pessoal.

A blumenauense descobriu o Design de Produto em um teste vocacional que fez no fim do Ensino Médio, aplicado pela psicóloga do colégio. “Me interessei pelo curso e fui atrás de mais informações. Não deu outra, me identifiquei na hora!”

Tem que ser muito bom no desenho?

Muita gente pergunta se precisa saber desenhar para fazer o curso. O Rafael foi bem claro quanto a isso:

 

Nada a ver isso. Eu não sou exímio desenhista e tô lá, quase me formando. Dá para aprender bastante de desenho no meio do curso”.

 

A Marcela lembra que, além da disciplina de Desenho Técnico de Produto, quem quer cursar Design de Produto deve estar preparado para Criatividade e Inovação, Representação Gráfica, Sketching e Rendering, Materiais e Processos Industriais, Fotografia. Além disso, precisa querer aprender sobre ergonomia, cores, história da arte, embalagens, protótipos, etc.

9Marcela (à direita) fazendo aulas de desenho! Arquivo pessoal.8E sua obra 😉 Arquivo pessoal.

Se você quiser entrar no curso um passo à frente dos colegas, o Rafael sugere fuçar em alguns programas, como o Photoshop, o Illustrator e o SolidWorks, esse último bem específico para o design de produtos.

5Rafa aprendendo técnicas de solda em uma das aulas do curso. Arquivo pessoal.

Segundo o Rafa, durante os quatro anos de curso, o Design de Produto intercala disciplinas mais teóricas, como Semiótica, Economia e Gestão do Design, com outras leves e divertidas, como Fotografia e Processo Criativo.

 

Claro que têm fases difíceis, tipo projetos que tu vira a noite fazendo, mas tem como deixar o curso ser leve e prazeroso.”

 

O que eu vou projetar?

O designer de produto é o profissional que projeta os produtos. Ele vai usar a criatividade para criar algo legal tanto na estética quando na ergonomia, ou seja, além de bonito, tem que ser eficiente, seguro, usável. Mas o que ele vai projetar? Tudo o que você imagina:

 

Móveis, utensílios de cozinha, torneiras, jóias, embalagens, pranchas de surf, embalagens de shampoo, cadeiras de roda e por aí vai. –

 

2Na disciplina de Representação Tridimensional, Rafa e os colegas fizeram protótipos de batedeiras. Arquivo pessoal.

Junto com o projeto, o designer também aponta os melhores materiais e processos para fazer o produto sair do papel.

Cadê meu estágio!

Os estágios em Design de Produto são bastante escassos. Segundo o Rafa, pouquíssimos sortudos conseguem ter experiências em agências e estúdios durante a Faculdade, o que, para ele, foi um dos únicos pontos ruins relacionados ao curso. O porto-alegrense estagiou no Departamento de Comunicação da Casa de Cultura Mario Quintana, onde produzia materiais gráficos.

4Marcela (de azul) com alguns colegas do curso! Arquivo pessoal.

Às vezes, o estágio pode não ser em Design de Produto, mas na área de Publicidade ou em outras vertentes de Design, como o gráfico. Foi o que aconteceu com a Marcela. Quando voltou de um intercâmbio, a blumenauense estagiou em uma empresa de moda. Lá, trabalhou com desenho técnico e apoio às pesquisas de coleção. “Como a região de Blumenau é mais forte na área têxtil e de moda, foi difícil encontrar um estágio focado totalmente no Design de Produto”, conta.

De olho no mercado

O designer de produto precisa estar sempre de olho em cursos e atualizações. Segundo a Marcela, hoje, existem muitas escolas que têm cursos rápidos e específicos para diversas áreas do Design.

 

Um designer deve estar atento ao cenário cultural, econômico e mercadológico, que são os norteadores na hora da criação.”

 

O Rafael lembra que os cursos de extensão disponibilizados para os alunos durante a graduação também são legais. Ele participou de um na área de Design Social Aplicado.

1Rafa durante o projeto de extensão, onde ajudou a criar uma sala de espera no Centro de Saúde Navegantes, em Porto Alegre. Arquivo pessoal.

Cenografia

O Rafa trancou o curso no seu último semestre para se dedicar à produção do Porto Alegre em Cena, festival de teatro que acontece anualmente da cidade. “Não teria porque trabalhar que nem louco durante três meses e ainda fazer o TCC”. No primeiro semestre de 2017, ele pretende entregar o trabalho de conclusão e se formar.

3Rafa e sua turma em um workshop na oficina Fabrique. Arquivo pessoal.

O estudante de design também trabalha como cenografista para teatro e  é produtor de objetos para comerciais. Para quem não sabe, o produtor de objetos trabalha junto com a direção de arte criando os objetos do cenário em filmes e comerciais.

 

Sinto que, direta ou indiretamente, tô trabalhando com Design de Produto.”


Entre tags e etiquetas

No final de 2013, Marcela se formou e passou a procurar emprego na área. “Em Balneário Camboriú o mercado para designers é mais restrito à área de móveis planejados e decoração, então voltei para a casa dos meus pais em Blumenau”. A designer demorou seis meses depois de formada até conseguir o primeiro emprego.

 

É um mercado com potencial, mas ainda pouco reconhecido pela indústria.”

 

10Marcela (a segunda da direita para a esquerda) no dia da formatura! Arquivo pessoal.

Hoje, ela é designer sênior da Haco, uma das maiores empresas do mundo em identificação de moda. A fábrica cria tags, embalagens, etiquetas, cadarços e metais para os clientes.

Marcela é responsável (junto com uma equipe de criação) por criar materiais com base em briefings e desenvolver os books de coleção da empresa.

 

É bem corrido. Faço viagens de pesquisa e para atender os clientes, que se espalham pelo Brasil e pelo mundo.”

 

7Marcela durante uma reunião com um cliente da Haco em São Paulo. Arquivo pessoal.

O salário inicial de um Designer de Produto é bem semelhante ao de outras áreas do design e da comunicação, mas, segundo a Marcela, se você adquire novos conhecimentos e habilidades, costuma ser reconhecido no que faz. “O poder de negociação aumenta e as empresas costumam reconhecer o valor do profissional qualificado”, conta.

Dicas, pra que te quero!

O Rafa e a Marcela deram aquelas dicas legais pra você que está pensando em escolher Design de Produto. Confere:

  • Não espere chegar na faculdade ou no mercado de trabalho para buscar referências;
  • Leia histórias de pessoas bem sucedidas e profissionais que são referência na área;
  • Estude bem as vertentes do Design, como o Gráfico, de Interiores, de Interface, Design Thinking, para ter certeza da decisão que você tomou;
  • As conexões entre essas diversas vertentes (da dica de cima) e a profissão na prática acontecerão com naturalidade;
  • Acredite no curso! Quando você descobrir a profissão, vai se apaixonar.

Curtiu conhecer a graduação de Design de Produto? Então confere nossos posts sobre outros cursos na Série Profissões. Se não encontrar o que procura, comenta aqui que a gente escreve sobre ele! Até o próximo post! 😀