Sabia que uma galera entra na graduação de Biomedicina esperando alguma aproximação com o curso de Medicina? Pois é, temos uma novidade: a Medicina está só no nome mesmo!

 

O biomédico pode atuar em até 35 áreas diferentes. E aqui, na Série Profissões, você fica sabendo o que faz esse profissional. –

 

Para ajudar a explicar o curso e a atuação dos biomédicos, convocamos a Jéssica Louise Benelli, 23 anos, biomédica e professora de Genética Humana e Biologia Molecular aqui do Me Salva!, e o Lucas de Oliveira Pereira Ribeiro, 22 anos, que se forma em Biomedicina no final de 2016. Ambos fizeram o curso na UFCSPA, a Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre. Confere aí o que eles nos contaram!

Uma escolha pouco convencional

O Lucas e a Jéssica escolheram a Biomedicina ainda no colégio. Ele queria uma profissão voltada à pesquisa e descobriu o curso enquanto buscava informações em sites. Ela adorava Biologia – só a parte humana mesmo –, principalmente Genética. Mas sabia pouco sobre o curso:

 

Não conhecia direito a profissão e tinha uma ideia muito vaga sobre o mercado de trabalho”.

 

3Essa é a Jéssica, biomédica e professora do Me Salva!, felizona com a faixa de aprovação no vestibular. 🙂 Arquivo pessoal.

Dedicação, dedicação, dedicação

Tá pensando que o curso é brincadeira? A Jéssica e o Lucas deixaram bem claro que não tem moleza não. “São quatro anos de duração mínima. Cada semestre tem de 10 a 13 matérias, o que deixa a graduação bem exaustiva”, conta Lucas. Segundo o paulista, tem até um pessoal que deixa algumas cadeiras para trás e acaba esticando a graduação para dar uma aliviada.

9Esse é o Lucas! 🙂 Arquivo pessoal.

Além da carga horária puxada, também tem que estudar bastante. Isso porque o biomédico pode atuar em muitas áreas, chamadas de habilitações, o que torna o curso muito amplo. “São muitas cadeiras diferentes entre si para preparar o aluno para atuar e escolher suas habilitações”, explica Jéssica.

 

Prepare-se para: Química, Anatomia e Fisiologia logo nos primeiros semestres. Biologia Molecular, Bioquímica, Hematologia, Farmacologia, Estatística e Parasitologia também exigem bastante. –

 

A disciplina de Metodologias Bioanalíticas, que estuda os equipamentos analíticos utilizados na rotina biomédica, é uma das preferidas do Lucas.

4Pronto para encarar a pilha de leituras? Arquivo pessoal.

O que faz um biomédico?

Aí você deve estar se perguntando: mas o que eu vou fazer? Pois é, podem ser muitas coisas. Mas, na prática, a grande maioria das pessoas que se forma no curso trabalha com Análises Clínicas em laboratórios ambulatoriais e hospitalares. “Fazem aqueles exames de rotina como hemograma, exame de urina, exames bioquímicos e imunológicos”, explica a Jéssica.

 

Mas, como a Biomedicina é relativamente nova no Brasil, a área de análises clínicas é dividida com outros profissionais, como farmacêuticos, bioquímicos e biólogos. –

 

2A área de Análises Clínicas é a da Jéssica. Na foto, a biomédica durante uma aula no laboratório de química da Faculdade. Arquivo pessoal.

Falamos ali em cima que o biomédico pode escolher entre 35 habilitações. Mas, então, quem cursa biomedicina pode atuar em todas as áreas depois da formatura? O Lucas nos conta que para atuar em cada área é necessário ter uma habilitação:

 

As habilitações podem ser obtidas de três formas: durante a graduação, com um estágio curricular mínimo de 500 horas; na pós-graduação, com um curso de, no mínimo, 360 horas; ou com uma prova de título”.

 

Para essa última opção, o biomédico precisa ser filiado à Associação Brasileira de Biomedicina, ser formado em Biomedicina há, pelo menos, três anos e trabalhar na área de interesse há dois.  

1A primeira foto da turma do Lucas em 2012. Arquivo pessoal.

As habilitações vão desde Biomedicina Estética e Acupuntura até Análises de Alimentos e Toxicologia. “Em geral, as Universidades permitem que os alunos façam duas habilitações durante o curso, podendo atuar nessas duas áreas já depois da formatura”, explica a professora do Me Salva!.

A área que está “bombando” no momento é a de Estética. Mas a Jéssica ressalta que o biomédico também concorre com outros profissionais, como médicos e fisioterapeutas, nessa habilitação.

 

O Lucas lembra que muitos biomédicos também seguem a carreira acadêmica. –

 

Entre estudos e estágios

Em Biomedicina, os estágios são indicados pela Universidade, através de convênios com empresas. Existem estágios curriculares (aqueles de 500 horas que concedem a habilitação na área) e alguns remunerados, explica a Jéssica. Segundo ela:

 

A maioria dos estágios se dá dentro de hospitais ou em laboratórios ambulatoriais e clínicas”.

 

6Equipamento de proteção usado pela Jéssica! Arquivo pessoal.

Além desses, existem também os estágios dentro da própria Universidade, como Iniciações Científicas, em que o aluno ajuda em projetos de pesquisa desenvolvidos pelos professores e trabalha em laboratórios de pesquisa.

8Lucas (o terceiro da esquerda para a direita) na seção de fotos para a Formatura! Arquivo pessoal.

Os nossos entrevistados falaram que na UFCSPA, onde fizeram o curso, as turmas têm até 30 alunos e, em geral, seguem juntas do início ao fim do curso. Com o Lucas foi um pouquinho diferente, ele atrasou a formatura em um ano por causa de um intercâmbio na área de Ciência Forense. O paulista pretende fazer Mestrado e Doutorado na área de Genética Forense (sonho de qualquer um que curta CSI! 😜).

 

Em um futuro próximo, pretendo trabalhar como Perito Criminal Forense e, para isso, Mestrado e Doutorado contam muito nas provas de concurso.”

 

Mercado concorrido e rotina pesada

Além de ser professora do Me Salva!, a Jéssica também exerce a Biomedicina em um laboratório: “Trabalho no Setor de Hematologia, analisando todos os hemogramas e outros exames de sangue”. A vida acadêmica não ficou para trás. O Mestrado em Biologia Molecular e Genética também está em curso. “O objetivo é seguir na área docente”, conta.

11Durante a Faculdade, no laboratório de Histologia. Arquivo pessoal.

Jéssica conta que o mercado de trabalho da área é difícil e bastante concorrido:

 

Existem muitos biomédicos e ainda há a concorrência com outros profissionais, como farmacêuticos e biólogos”.

 

A área com mais vagas é a de Análises Clínicas. Mas não vá esperando grandes salários: na iniciativa privada o valor pode variar de R$ 1.000 a R$ 3.500, em concursos públicos chega a R$ 6.000. A carga horária é de 44 horas semanais. E, segundo a Jéssica, é bastante comum ter que trabalhar nos finais de semana ou em plantões, já que um laboratório não pode parar nunca.

Dicas, pra que te quero!

A Jéssica e o Lucas deram aquelas dicas espertas para você que pensa em cursar Biomedicina. Dá uma olhada:

  • Não se iluda, o curso não tem relação com a Medicina. Se entrar em Biomedicina com essa expectativa, vai se decepcionar;
  • Explique para seus parentes e conhecidos que Biomedicina não é Medicina;
  • Não se desespere! A profissão é nova, então o piso salarial e algumas regulamentações ainda estão sendo criadas;
  • Prepare-se! A área cobra bastante dedicação de estudo e de tempo;
  • Se quiser seguir o ramo da pesquisa, você vai precisar conciliar o tempo com a carreira de professor. No Brasil a maioria dos centros de pesquisa está atrelado a um centro de ensino;
  • A habilitação em Análises Clínicas é a mais comum e também a com maior número de vagas de emprego.

Curtiu conhecer a Biomedicina? Então se liga que, em breve, têm outras opções de graduação aqui na Série Profissões. Até o próximo post! 😀