Escolher a profissão é mesmo uma tarefa difícil. Muitas expectativas, sonhos, enfim. Por isso, te ajudamos nessa também 😉 . Curte contribuir na organização do espaço urbano? Então, dá uma espiada no nosso post sobre Arquitetura! Quem sabe não é essa sua vibe? A Jessica e a Ana Luiza vão nos dar uma mãozinha!

Há alguns anos, o sonho de ingressar na universidade era para poucos. Mas, com a democratização do acesso, hoje uma galera vive a realidade de escolher a própria profissão. A baiana Ana Luiza Rocha, se formou agorinha, aos 23 anos, em Arquitetura na federal da Bahia, e a conquista tem grande significado: “Foi a realização do meu sonho e da minha família também. É a construção para um futuro melhor”.

Desenhar não é só coisa de criança!

Os desenhos da infância ganharam importância quando Ana entrou na faculdade (viu, não subestime seus rabiscos 😛 ), e o interesse pela área de decoração também inspirou a estudante. Quem também sempre teve afinidade com os desenhos é a arquiteta Jessica Bittencourt. Formada pela federal do Rio Grande do Norte, ela conta que tinha facilidade com cálculos: “A Arquitetura era a maneira de combinar as duas coisas que eu gostava”.

ARQUITETURA1Afinidade com desenhos é bem importante para quem quer Arquitetura. Wikipédia.

 

Duas apaixonadas pela profissão, as meninas super indicam o curso para quem está pensando na Arquitetura.

 

“Não é um curso tão fácil, mas a carreira é encantadora”, diz Ana. Já a Jessica considera a faculdade bem acessível: “Não acho difícil, que nem muita gente fala, mas é importante ter dedicação”.

Mesmo estudando no melhor curso de Arquitetura e Urbanismo do país (UFRN), ela também aponta algumas dificuldades: “Acredito que os alunos poderiam ter mais aulas de Engenharia e Cálculo. Terminamos o curso, mas ainda dependemos muito de engenheiros”.

Além dos diversos projetos para desenvolver, o estudante também tem matérias que abordam história da arte e da arquitetura, planejamento e gestão urbana. O acelerado crescimento das cidades, déficit de moradia e outras tantas questões sociais contam com a ajuda do arquiteto para pensar a melhoria das áreas urbanas 😉 . No entanto, as duas concordam que, nesse sentido, há algumas falhas.

 

No Brasil, principalmente, os cursos abordam pouco a discussão sobre sustentabilidade. 

 

“Se quiser saber mais sobre sustentabilidade, o aluno deve correr atrás”, conta Jessica. E foi o que ela fez. Procurando aqui, se informando ali, teve experiências bem diferentes. Trabalhou com arquitetura social junto ao MST e também no escritório de sustentabilidade da University of Manitoba (Canadá): “Se a pessoa tiver interesse, pode ter experiências ricas e variadas durante a graduação”.

 

– Ana concorda: “A experiência com estágios é maravilhosa, podemos ver na prática o que estudamos.”

 

ARQUITETURA2Grupo de estudos de Permacultura em encontro sobre bioconstrução, realizado no Museu Câmara Cascudo (Natal/RN). Reprodução/Facebook.

Uma questão de construção

Apesar da oportunidade nos estágios ter sido importante, agora Ana vive a situação do mundo real e as dificuldades de conseguir uma contratação. Quem trabalha em escritório ganha pouco e a época de crise também não ajuda. Mesmo assim, ela não desanima: “Não me vejo fazendo outra coisa”, diz.

ARQUITETURA3Jessica (à direita) com colegas de turma. Arquivo Pessoal.

Seguindo o caminho que construiu durante a graduação, Jessica tem projetos próprios, como o Gaia Arquitetura. O trabalho dela valoriza o reconhecimento da responsabilidade com o meio ambiente, a criação de ambientes humanos sustentáveis e produtivos em equilíbrio com a natureza (conhecido como Permacultura).

Iniciativas assim têm ganhado bastante espaço na Europa, já que o desenvolvimento sustentável é o grande desafio do mundo. Em Paris, por exemplo, já é lei: prédios comerciais devem ter tetos verdes ou painéis solares em suas construções.

“Procuro o melhor da Arquitetura: formas alternativas de morar, materiais sustentáveis e projetos sociais”, destaca Jessica.

ARQUITETURA4Atividade em escola que discute educação e sustentabilidade. Reprodução/ Facebook.

Dicas, pra que te quero!

Se liga nos toques que separamos para você:

  • Cursos como Arquitetura e Urbanismo apresentam diferentes oportunidades de estudo no exterior;
  • Informe-se sobre o enfoque que a faculdade oferece; na UFRN há excelentes professores de planejamento urbano, por exemplo;
  • Fique esperto(a) sobre questões sociais que envolvem o espaço urbano na sua cidade;
  • Construção é a palavra! Você vai estudar desde edificações até tecnologias envolvidas nesse processo;
  • Procure os laboratórios da faculdade que abordam diferentes áreas da Arquitetura, pois é uma forma de desenvolver experiência em cada uma delas;
  • Tenha dedicação nas aulas de Cálculo! 😛

O que você achou das experiências das nossas entrevistadas com a Arquitetura? As profissões são muito mais do que aparentam e os estudantes tem buscado diferentes alternativas. Esperamos que você tenha curtido 🙂 Até a próxima!