País do Chapolin e do Chaves, de Frida Kahlo e do RBD (pode negar, mas a gente sabe que você já foi fã!), o México está naquela lista de destinos não tão procurados pelos intercambistas.

Por quê? A gente não sabe ao certo. Afinal, o país é uma verdadeira explosão cultural!

 

– A Capital, Cidade do México, é a segunda cidade no mundo em número de museus só perde para Londres. 

 

E, para provar que um intercâmbio no México não é nenhum enredo de novela mexicana (muito pelo contrário), a conversa dessa Série Intercâmbios é com a Marília Closs, de 23 anos. A porto-alegrense passou seis meses na Cidade do México no início de 2015 e voltou apaixonada. Confere aí:

MEXICO1Essa é a Marília, à esquerda! 🙂 Arquivo pessoal.

Essa bolsa é minha!

Graduada em Relações Internacionais, a Marília sempre quis fazer intercâmbio durante a Faculdade. A experiência, ela acreditava, iria acrescentar conhecimento e mostrar novas perspectivas sobre o curso em que viajar é quase um pré-requisito.

Além disso, morava com os pais em Porto Alegre e nunca havia ficado sozinha. O intercâmbio era uma oportunidade de amadurecer longe de casa.

MEXICO2Marília e uma amiga passeando em Teotihuacan, sítio arqueológico com pirâmides pré-hispânicas. Arquivo pessoal.

Apesar de Relações Internacionais ser um curso onde muitos alunos fazem intercâmbio, Marília não recebeu dicas de professores ou da coordenação do curso. “Fui atrás por conta. Comecei a procurar bolsas em sites para ver o que rolava ou não para mim”, conta.

Assim, encontrou um programa de bolsas de estudo Ibero-Americanas concedidas pelo Banco Santander. Eram em torno de 10 países de destino e Marília optou pelo México. “Gosto muito de estudos latino-americanos e o México é um país grande como o Brasil, com problemas relativamente parecidos com os nossos e com uma história, cultura e língua muito ricas.”

 

Quando apareceu a oportunidade, eu me joguei.”

 

Embarcou no início de 2015, falando um pouco de Espanhol. “Eu estudei para a prova para ganhar a bolsa. Mas era aquele portunhol, aquela enrolada. Fui aprender a língua lá mesmo”, conta.

MEXICO3Essa é Zócalo, a praça central da Cidade do México. Arquivo pessoal.

Um destino nada tradicional

Ir para o México não é como chegar na Europa. A chance de você topar com outros intercambistas brasileiros, por incrível que pareça, não é tão grande como no Velho Mundo.

A Capital também assusta pelo tamanho. É a segunda cidade mais populosa da América. Tudo isso deixou a Marília um pouco assustada no início.

 

Mas daí passa uma semana, passa duas e, quando eu vi, já estava apaixonada pela cidade.”

 

A Universidade dos sonhos

A Universidade também foi um dos pontos altos do intercâmbio. Marília estudava na Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM), uma instituição pública com um movimento estudantil muito forte.

 

Todo mundo sabe que está em uma universidade pública de qualidade e quer fazer algo pelo país em troca.”

 

MEXICO4Esse é o prédio da biblioteca central da UNAM. Massa, né? Arquivo pessoal.

A dinâmica em sala de aula acabou surpreendendo mais que o conteúdo. “O debate era muito incentivado. Foi uma relação de troca muito rica: eu contribuía falando do Brasil e eles me contavam sobre o México”, lembra a porto-alegrense.

 

O pessoal foi muito receptivo. Muito mais do que eu sou com um intercambista que vem pro Brasil.”

 

A atenção era tão grande que, no início, quando Marília não dominava muito bem o Espanhol, os colegas perguntavam se ela havia entendido ou precisava de ajuda com a matéria.  

Insegurança?

Muita gente pode lembrar do México pelos índices de violência. O país enfrenta uma guerra bastante complicada com os narcotraficantes.

Mas a Marília contou pra gente que as regiões mais perigosas ficam no Norte do país, perto da fronteira com os Estados Unidos. A cidade do México é a cidade mais segura do país. A porto-alegrense caminhava todos os dias até a Universidade e nunca sentiu medo.

 

Eu me sinto mais insegura em Porto Alegre do que me sentia lá.”

 

MEXICO5Marília e alguns amigos turistando à noite na praça central do México. Arquivo pessoal.

O custo de vida da cidade era bastante parecido com o de Porto Alegre. Todo o intercâmbio da Marília foi feito com a Bolsa de R$ 10 mil. “Ganhei tudo de uma vez só. Aí eu poderia administrar e gastar o dinheiro como achasse melhor.”

Uma cultura sem igual

Todos os finais de semana, a Marília se juntava com outros intercambistas para viajar e conhecer a cultura das cidades mexicanas. Os colegas eram latinos e, em sua maioria, vinham da Colômbia, Chile e Peru.

MEXICO6Xochimilco: a Veneza mexicana. Arquivo pessoal.

Na Cidade do México, conheceu os bairros tradicionais, como Xochimilco, onde existem canais (parecidos com os de Veneza) cheio de barcos coloridos. E muitos museus, como o La Casa Azul (que funciona na casa onde Frida Kahlo viveu com Diego Rivera, dois dos maiores artistas mexicanos).

MEXICO7Marília (de rosa), na entrada do Museu Frida Kahlo <3. Arquivo pessoal.

Os parques arqueológicos, como o de Teotihuacan, também fizeram parte do roteiro. Marília conta que acabou visitando mais a parte Sul do país, passando pelos estados de Morelos, Yucatan, Chiapas, Oaxaca, entre outros.

MEXICO8Em Hierve el Agua, no estado de Oaxaca, onde existem as famosas cascatas petrificadas. Arquivo pessoal.

Voltar para visitar o Norte do país e para, quem sabe, um doutorado em Relações Internacionais na UNAM, são as metas de Marília daqui pra frente.

O que fica do intercâmbio: um grande aprendizado sobre as riquezas que a América Latina guarda. “O México é um país que tem muito para nos ensinar, assim como o Brasil tem muito para ensinar para o México.”

Dicas, pra que te quero!

Fica ligado nas dicas da intercambista Marília:

  • Vá atrás de bolsas de intercâmbio por conta própria! Às vezes, podem acabar sobrando bolsas principalmente para destinos menos procurados sem nem sabermos que elas existem;
  • Considere destinos menos tradicionais como opção para um intercâmbio. Temos muito o que aprender em países da América Latina;
  • Não se apavore quando bater aquela insegurança ao chegar no novo país. Em poucas semanas, você já vai estar amando a experiência.

Curtiu nosso papo sobre o intercâmbio para o México? Então fica ligado nos próximos posts com destinos diferentes para você planejar o seu. 🙂