E aí, galera do Me Salva!, como anda a vida? Cansado(a) da rotina? Temos a solução dos seus problemas: inspiração! Conhecida como a terra das oportunidades, os Estados Unidos é um dos países mais procurados por jovens para trabalhar e estudar. Seja pela Disney, Elvis, Heinz, Hollywood ou Vegas, quem aí nunca pensou em viver o sonho americano? Seguindo nossa jornada da Série Intercâmbios, trouxemos pra você a história da Lislie. Let’s go?

Au Pair nos States

A paranaense Lislie Werner já estava meio entediada com o trabalho e o curso de Engenharia Elétrica: “Eu queria ter novas experiências. Conhecer a mim mesma, além de explorar uma nova cultura, visitar lugares e pessoas diferentes”. Foi aí que, ao completar 21 anos (a maioridade exigida pelos gringos), ela tomou a decisão. “Tinha acabado de sair de um longo relacionamento e estava em dúvida se queria continuar meu curso na faculdade.”

 

Eu precisava de um tempo só pra mim. Queria sair da minha zona de conforto.”

 

A Lislie se inscreveu para ser Au Pair, programa em que você mora com uma família americana e cuida das crianças. “Só é possível ser Au Pair legalmente se for por uma agência. O visto que se tira é o J-1 e, por ser para trabalho/intercâmbio, a chance de ser negado é muito difícil. Eu optei por preencher a documentação sozinha, pesquisando na internet, mas é possível recorrer a um despachante”. Ser Au Pair é muito mais que uma babá: você irá participar de todas as rotinas e atividades da casa, vai morar e comer com os americanos, além de estudar (é obrigatório cursar alguma disciplina), ganhar férias remuneradas e assistência médica. E, ainda por cima, recebe pelo trabalho!

EUA1trueLislie foi para os Estados Unidos como Au Pair, programa em que você mora com uma família americana e cuida das crianças. Arquivo pessoal.

 

Eu decidi ir e tive apoio de muitos amigos, mas, infelizmente, não da minha família.”

 

Só que isso não desanimou a determinada garota: ela foi, mesmo sem o apoio dos pais. “Sempre tive aquele american dream de visitar os Estados Unidos. Sou professora particular de matemática desde 2012, então, consegui bancar minha viagem sozinha. Também já tinha conhecimento do idioma, que deve ser, no mínimo, intermediário.

American way of life

Durante o ano de 2015, Lislie trabalhou por seis meses como Au Pair em Auburn Hills, no estado do Michigan (pertinho de Nova York e da fronteira com o Canadá). Ela diz que dá pra fazer uma longa lista das diferenças no modo de vida, mas destaca algumas. “A primeira coisa que eu notei quando cheguei nos EUA foi que eles jogam o papel higiênico na privada ao invés de ter um lixinho.” Ela também conta que é bem difícil – e caro – encontrar produtos frescos como estamos acostumados aqui no Brasil. “Senti muita falta das laranjas para espremer e fazer suco”.

Se você for viver nos States, seja pontual! “Atraso aqui é inadmissível. Americanos são extremamente pontuais e, como gostam de dizer, time is money!”. E, quando for comer em um restaurante, fique ligado. “Lembre de sempre dar gorjeta (tip), porque muitos trabalhadores vivem praticamente disso”. Por lá, se você der o mínimo, que é 10%, vai passar a impressão de que ficou insatisfeito com o serviço. Entre 15% e 20% é pra demonstrar que estava tudo mara.

EUA2TRUEALislie (segunda da direita para esquerda, na balsa, em Detroit) fez amizades com jovens da República Tcheca, México e Colômbia. Arquivo pessoal.

 

Eu conheci muitas pessoas legais, de diversas nacionalidades, e sempre fui tratada muito bem.”

 

“Em geral, são todos muito educados e costumam falar ‘desculpa’, ‘com licença’, ‘por favor’ ou ‘obrigado’ pra quase tudo, o que achei o máximo” diz, explicando que os americanos são sempre muito gratos por tudo que você faz, apesar de demonstrar isso com uma certa frieza.

Outro ponto positivo é o baixo índice de violência. “Por isso, as casas não têm grades nem cercas. Todos os lugares possuem ar-condicionado/aquecedor, e todas a casas têm secadora de roupas e máquina de lavar louça, o que facilita muito a vida.”

O custo de vida não é tão alto se você souber economizar. “A comida não é cara, tanto em fast food, quanto cozinhando em casa. Roupas são extremamente baratas, principalmente em outlets e brechós (thrift stores). As contas de casa (luz, água, celular, internet) não têm nada absurdo também. Agora, se você quiser morar próximo ao centro da cidade (downtown), prepare o bolso.”

 

Comecei a construir minha vida aqui e estou muito feliz.”

 

E o futuro?

Lislie saiu do programa de Au Pair antes do encerramento (o visto é cancelado automaticamente) e retornou ao Brasil por uns meses, quando tirou o visto de turista. Voltou para os EUA e, hoje, mora com o namorado nos arredores de Detroit. “Vamos nos casar em breve”, comemora, contando que pretende retomar os estudos de Engenharia no ano que vem.

“Hoje, minha família finalmente aceitou, pois percebeu como sou feliz morando aqui. Sinto que estou no lugar certo e com a pessoa certa. A gente acaba sentindo falta de algumas coisas, como a comida e, claro, a família, mas não tenho mais vontade de morar no Brasil.

EUA3Com o namorado Patrick – com quem já mora e vai se casar em breve – no Navy Pier, em Chicago. Arquivo pessoal.

Tour guiado

Confere aí o depoimento da Lislie sobre as cidades americanas que visitou:

Eu amei Nova York, por razões óbvias. É muito impactante você conhecer a Times Square depois de ver tantas vezes em filmes e séries. Las Vegas também é maravilhosa! Ver todas aquelas luzes e cassinos foi incrível e, além disso, uma coisa que gostei muito de lá é que as pessoas não dão a mínima para a opinião alheia.

Já Chicago é linda por causa da arquitetura! Visitar os prédios, o aquário, os museus e o planetário são coisas maravilhosas de se fazer! Seattle não é lá a cidade mais turística de todas, mas é muito famosa pelo seu café! Eu tive a oportunidade de ir a todos os locais turísticos (Public Market, Gum Wall, Space Needle) e comer em muitos restaurantes famosos, além de poder assistir ao meu jogo favorito 🙂 (Lislie é gamer e foi ao The International, maior campeonato do mundo de Dota 2).

 

Em Vegas, se você quiser sair de biquíni na rua, ninguém vai se importar!”

 

Detroit é minha cidade do coração. Moro nos arredores, a uma hora de carro. Em downtown tem de tudo! É um lugar maravilhoso pra quem gosta de fazer festa e tem até um riverboat (balsa) que faz o trajeto entre EUA e Canadá, ou seja, você cruza o rio e está em outro país!”.

EUA4Vegas! Arquivo pessoal.

SPACENEEDLESpace Needle, ponto turístico obrigatório em Seatle. Fonte: spaceneedle.com

Lislie_7Apreciando a arquitetura de Chicago no Millennium Park. Arquivo pessoal.

Curtiu & Compartilhou

Lislie conta o que mais curtiu no intercâmbio: “Viajar e fazer novas amizades. Conhecer lugares diferentes e viver novas experiências é a coisa mais gratificante que você pode adquirir na vida”. Se ela recomenda? “Com certeza! O crescimento que você tem ao sair da zona de conforto é gigante! Ficar sozinha num país completamente diferente e cuidando de três crianças me ajudou a amadurecer muito. Você passa a enxergar as coisas de maneira diferente, a perceber do que realmente gosta e até mesmo quem são as pessoas que se importam com você.”

 

Você descobre suas capacidades e fraquezas.”

 

EUA7Com as amigas (centro) no The Spirit of Detroit, famoso monumento da cidade. Arquivo pessoal.

Dicas, pra que te quero!

Anota as dicas da Lislie se você pensou em fazer intercâmbio nos Estados Unidos!

  • Pesquise! As melhores formas de se informar são pela internet e conversando com quem já teve essa experiência. Google e grupos no Facebook ajudam bastante;
  • Guarde dinheiro e viaje dentro do país! O melhor jeito de viajar é fazendo uma roadtrip, já que a gasolina é barata. Junte os amigos, dirija até uma cidade legal, durma em um hostel e passeie muito;
  • Tenha sempre um dinheiro guardado para casos de emergência ou imprevistos;
  • Mantenha a mente aberta para experimentar coisas novas;
  • Acalme-se e esfrie a cabeça; se você for Au Pair, vai ter que engolir vários sapos da sua host family porque, querendo ou não, você é o outsider (estranho) da cultura deles.

Viu só? Quando se tem um sonho, basta correr atrás! A história da Lislie te empolgou? Conta aí o que você achou e aguarde: em breve, mais posts pra te colocar on the road! See ya