Troféus, medalhas, pódios, conquistas. Olhando rapidinho a gente até pensa que vida de atleta é fácil, né? Mas, por trás das conquistas estão a superação, a disciplina, a derrota, as desilusões, os machucados e os treinos, MUITOS treinos!

 

Agora imagina conciliar essa rotina com os estudos? –

 

É isso que o Thiago Marques, porto-alegrense de 22 anos, vem fazendo há mais de 10 anos! Entre as aulas e o basquete, o armador do time da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) contou pra gente como é ser um estudante atleta. Vem conferir!

6Esse moço prestes a fazer uma cesta é o Thiago! 🏀 Arquivo pessoal.

Num cesto de lixo

Como todo brasileiro, é claro que o primeiro esporte que o Thiago se interessou foi o futebol. Mas tudo mudou quando, aos oito anos, ele foi levar o lixo para fora de casa e encontrou uns cd’s de Playstation 1.

Um dos jogos de videogame simulava uma partida de basquete (com bem menos perfeição que os que você joga hoje, claro). A curiosidade foi tanta que ele resolveu sair do game para a realidade: “Peguei uma bola de futebol e comecei a fazer umas cestas numa pracinha que tinha na frente da minha casa”.  

 

Apenas um ano depois do “dia de levar o lixo”, o Thiago já treinava basquete quatro vezes por semana em um clube de Porto Alegre. –

 

4Até os 16 anos, Thiago (o quarto em pé, da direita para a esquerda) jogou em clubes de Porto Alegre, como Grêmio Náutico União e SOGIPA. Arquivo pessoal.

Profissão: atleta

No colégio, o talento do Thiago para o basquete já era inegável. Mas a grande oportunidade chegou ao ser convocado para um campeonato pela seleção gaúcha sub 17. Durante a competição, o porto-alegrense despertou a atenção do treinador da seleção de São Paulo.

 

Coincidentemente, o cara também treinava o Franca Basquete e me chamou para jogar lá.”

 

O Franca é um dos clubes de basquete mais importantes do país e fica em São Paulo. Aos 17 anos, na cara e na coragem, o Thiago embarcou nessa aventura. Foi contratado para jogar no time enquanto cursava o terceirão.

2Thiago, o terceiro ajoelhado da direita para a esquerda, no Franca Basquete. Arquivo Pessoal.

Era a primeira vez que ele saía de casa para morar sozinho. A oportunidade era única, mas a rotina era puxada. “Não interessava se o treino foi até tarde, nós tínhamos que ir para a aula no outro dia e precisávamos tirar boas notas.”

5E teve vezes em que o cansaço tomou conta (e o time tirou uma soneca durante a aula)! Arquivo pessoal.

 

Sempre tive inveja dos que conseguiam estudar e jogar muito bem. É muito difícil. Já fiquei em recuperação muitas vezes, mas sempre consegui passar.”

 

Dando um tempo

Acordar cedo, ir para a aula, almoçar correndo e passar a tarde treinando (as vezes, até às 10 da noite). Você se imagina fazendo isso durante oito anos?

Quando estava em São Paulo, Thiago andava meio cansado do esporte. É claro, ainda adorava o que fazia. Mas, com o fim do Ensino Médio, outra coisa ocupava a cabeça dele: a escolha de uma graduação.

 

Infelizmente, o basquete não traz uma estabilidade financeira, não tem muito apoio e nem tantos times para jogar.”

 

Foi assim que ele decidiu: precisava de uma pausa! Voltou para o Rio Grande do Sul e começou a fazer cursinho pré-vestibular. Hoje, está cursando Engenharia Metalúrgica na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Arquitetura na UniRitter.

De volta às quadras

Depois de dois anos longe do basquete, até o Thiago acreditou que não fosse mais voltar a jogar. Mas a paixão pelo esporte falou mais alto.

 

Na Universidade, o porto-alegrense voltou a fazer cestas. –

 

É o armador – o serumaninho que organiza o time – da UFRGS e se prepara para os Jogos Universitários Brasileiros, competição da qual participará em novembro.

3Olha o gaúcho aí jogando pela UFRGS (o segundo da direita para a esquerda, ajoelhado). Arquivo pessoal.

A maior vitória

Se você acha que as grandes conquistas do Thiago tem a ver com troféus e medalhas, está enganado!

1As vitórias vão além! Arquivo pessoal.

No esporte ele fez amigos, conheceu lugares e teve a oportunidade de estudar em ótimos colégios. Aprendeu até a controlar a ansiedade!

 

Tento relacionar tudo o que faço na minha vida com o basquete.”

 

Dá, inclusive, para listar os aprendizados no currículo: saber ganhar, saber perder, saber liderar, trabalhar em equipe, ter responsabilidade e muita, MAS MUITA disciplina.

 

O esporte diz muito sobre você: se é individualista, confiante, inseguro.”

 

Na quadra, ele também conheceu a namorada. Assim como o Thiago, a Vanessa joga basquete no time feminino da UFRGS, cursa Contabilidade e trabalha. “É uma supermulher!” – ele diz. 😉

Dicas, pra que te quero!

O Thiago deu algumas dicas pra você que quer praticar um esporte e estudar ao mesmo tempo. Se liga! 

  • Na medida do possível, organize uma rotina de estudos entre os treinos;
  • Não deixe a matéria acumular;
  • Acostume-se a estudar fora de casa (na quadra, no ônibus, na arquibancada, em hotéis);
  • Leve o material de estudo sempre com você em uma boa mochila. Assim, quando surgir uma oportunidade para estudar, vai estar tudo ali;
  • Tenha paciência. É difícil, mas vale a pena!

E aí, curtiu conhecer a história do estudante e atleta Thiago? Então fica ligado(a) que mais mestres, como ele, vão pintar por aqui! 🏆 Até a próxima!