Fórmulas matemáticas, datas históricas, regras gramaticais, elementos químicos, ufa! Se você está às vésperas do Enem e do vestibular, a quantidade de conteúdo pra memorizar pode causar nervosismo, insegurança e medo de esquecer tudo que estudou. 😱

 

Estimular o cérebro com exercícios específicos – os chamados métodos mnemônicos – pode deixar sua memória em forma! –

 

Mas será que existe uma maneira de não esquecer as matérias? É claro que não há uma receita mágica, mas você pode praticar alguns exercícios mentais para potencializar a sua capacidade de memorização e dar aquela forcinha na hora da prova. Bora conferir mais esse post da categoria Dicas de estudo?

Desvendando o cérebro

Denise Ranghetti Pilar, mestre em Ciência da Computação e doutora em Psicologia Cognitiva, explica que tudo que é gravado pela memória passa por três estágios:

  1. Codificação: o momento em que uma nova memória é adquirida por nós;
  2. Armazenamento: quando ela é guardada em nosso cérebro e se torna ‘parte de nós’;
  3. Recuperação: que é quando recordamos essa lembrança, em momento posterior.

 

Nossa memória não funciona exatamente como um HD, que guarda tudo o que colocamos nele, desde que haja espaço.”

 

Segundo Denise, há várias teorias que explicam o funcionamento da memória. “Uma delas diz que quanto mais elaborada uma informação, melhores serão as chances de que ela seja gravada. Por exemplo, se você passa pela sorveteria e vê um sorvete de beterraba, isso chamará a sua atenção e talvez um dia você lembre desse fato.”

2Denise, durante a palestra “A Memória Humana e as Senhas”, em outubro deste ano. Arquivo pessoal.

E segue: “Agora, se você comentar com alguém, ‘que coisa bizarra, sorvete de beterraba, isso não parece fazer sentido’, as chances de lembrar desse fato mais tarde aumentam bastante, pois você parou para pensar sobre o assunto, formulou uma ideia e discutiu com outra pessoa, ou seja, elaborou a informação a ponto de concluir que ela não fazia sentido para você”.

Outra teoria diz que os tipos de representação das memórias seriam armazenados de forma separada e independente. “Os detalhes específicos e superficiais (palavra por palavra) são as memórias literais, e os significados são as memórias de essência”, aponta a especialista.

Na prática, Denise esclarece o que isso quer dizer: “As memórias de essência são armazenadas de forma mais fácil e duradoura, ao passo que os detalhes – as memórias literais – enfraquecem e são rapidamente esquecidos. Você pode lembrar de ambos. Ou não”.

 

Aposto que, daqui um mês, você vai lembrar algumas coisas que leu nesse texto (essência), mas dificilmente lembrará das minhas exatas palavras (literal).”

 

E o emocional, influencia na capacidade de memorizar? “SIM! Tanto a codificação (a) quanto o armazenamento (b) das memórias são reforçados quando associados a alguma emoção, seja ela positiva ou negativa. Além disso, se você estiver estressado, ansioso ou com excesso de tarefas, terá mais chances de esquecer o que você sabe na hora da prova”.

Como lidar?

Denise aconselha que é fundamental equilibrar o tempo de estudo com o tempo de descanso. “É importante que o corpo esteja nas condições ideais de ‘temperatura e pressão’, isto é, bem alimentado, descansado e tranquilo. Na reta final, vale a pena abrir mão de algumas festas para focar no seu objetivo. Haverá tempo de sobra para comemorar depois.”

Também é importante comer de forma equilibrada: “Procure uma alimentação rica em vitaminas do complexo B (carnes, verduras), E (azeite, vegetais), C (frutas cítricas, brócolis), ômega 3 (atum, linhaça) e Cálcio (leite, sardinha, feijão branco).”

 

Faça a última refeição no máximo duas horas antes de dormir – isso permitirá ao seu organismo usar toda energia num sono de qualidade, afinal, dormir mal ou dormir pouco é quase tão ruim quanto não dormir!”

 

Inspirado em uma história real

Mesmo sendo uma especialista que dá palestras e workshops sobre o assunto, Denise tem vivido a tensão pré-prova de perto: sua filha Sabrina, de 17 anos, está se preparando para o Enem e o vestibular. “Vou te contar, não está sendo fácil!

“A carga horária entre escola e pré-vestibular é bastante pesada e não sobra muito tempo nem energia, então, o estresse e a ansiedade são altos.”

1Denise procura ficar de olho para que a filha Sabrina cuide bem da saúde física e emocional. Arquivo pessoal.

Denise conta que sua filha procura fazer atividades de lazer quando está nervosa, como ler um livro ou assistir a uma série. “Ela também tenta se preparar ao máximo, usando as provas da escola e simulados para testar e verificar que é capaz de fazer o exame no tempo.”

 

Para a Sabrina, evitar o nervosismo é a chave para fugir do famigerado ‘branco’.”

 

E a especialista faz um alerta: “Tento ficar de olho nas horas de sono e no tempo livre. Principalmente nessa idade, o pessoal acredita que ‘aguenta’ e não precisa dormir tanto. Para tirar a máxima vantagem da nossa memória, precisamos estar mais que só ‘ok’, precisamos estar muito bem, alimentados e descansados.”

 

Aos pais, recomendo muita calma nessa hora. Estimulem o equilíbrio, isso faz toda diferença.”

 

Dicas, pra que te quero!

Se liga nas dicas da especialista Denise pra turbinar a memória:

  • Preste atenção, de verdade, naquilo que você estuda. Ler pensando em outra coisa é perda de tempo e energia. Se não conseguir prestar atenção, tire uma soneca e tente mais tarde, será mais produtivo;
  • Repita, repita, e repita! Mas não como um papagaio, pois isso não garante nada. Repita explicando as coisas para alguém, discuta com os colegas, faça esquemas, desenhos ou qualquer coisa que te ajude a ver um sentido naquele conteúdo. Nossa memória guarda melhor coisas que têm um significado para nós;
  • Associe com emoções, dentro do possível. Isso tornará mais forte sua memória para esses conteúdos. Crie relações malucas com assuntos, eventos e/ou pessoas importantes para você, faça analogias ou invente histórias engraçadas;
  • Evite bebidas alcóolicas. Isso pode – e vai – afetar a sua memória, e para pior;
  • Cuide da sua saúde. Seja bacana com você mesmo! 🙂

Confere também algumas técnicas indicadas por Renato Alves, primeiro brasileiro a receber o título de Melhor Memória do país pelo Rank Brasil, o livro dos recordes nacionais:

  • Reflita por 15 minutos diariamente e alimente um diário;
  • Escreva o que você precisa lembrar (com papel e caneta);
  • Aposte em associações visuais, como cores e objetos;
  • Invente acrônimos – siglas para compactar conteúdos-chave;
  • Diga em voz alta conteúdos que deseja fixar.

O especialista em memorização Renato Alves dá dicas para quem está na reta final do Enem. YouTube.

E aí, refrescou sua memória? Bora exercitar esse cérebro! Mas lembre-se: você deve prezar sempre pelo equilíbrio entre o corpo e a mente. Dê uma olhada nesses posts e deixe sua jornada de estudos mais tranquila! Até 😉