Um dos maiores desafios de todos os estudantes que se dizem de humanas (e este que vos escreve é um desses), é ir bem em matérias de exatas, como Física, Química, Biologia e, para alguns o maior monstro de todos: Matemática. Pensando nisso, conversamos com a Isadora, ou Isa, que nos contou como uma estudante de humanas foi aprovada na UFRGS com um notão em matemática!

Mas quem é a Isa?

Essa é a Isa!

O nome dela é Isadora Garcia e ela passou em Relações Públicas na UFRGS em 2018. Antes disso, cursou dois anos de Serviço Social na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e, só depois de muito pensar sobre o seu futuro profissional foi que criou coragem, saiu do curso e decidiu começar tudo novamente.

Apesar da decisão, em 2016 a insegurança fez com que ela decidisse não fazer o vestibular. A estratégia foi se preparar o máximo possível para ir para a prova com mais confiança:

 Fiz um ano de cursinho presencial e não deu muito certo por diversos motivos, mas, principalmente, por que eu me sentia muito cansada – 

Os horários nada flexíveis e o fato de ter que ir e voltar todos os dias do cursinho foi tornando a rotina cansativa e, no final das contas, isso prejudicou a qualidade dos estudos. Além disso, ela sentia que não sabia estudar – que lia os conteúdos e não aprendia de fato. Em 2017 ela infelizmente não conseguiu passar.

Mas, depois de não ser aprovada, a Isa sentiu que precisava tomar alguma atitude, mudar alguma coisa e, assim, se inscreveu e estudou só com o Me Salva!:

A minha melhora estudando em casa foi inacreditável, eu finalmente aprendi a estudar e o reflexo na minha nota foi muito claro: fui de 8 acertos em Matemática para 19!  

E como foi o caminho até a aprovação?

via GIPHY

A Isadora, logo no início do ano, fez um Plano de Estudos Personalizado e, já na hora de montá-lo, colocou que tinha dificuldade em Matemática. Assim, do início ao meio do ano, a Isa equilibrou muito bem os conteúdos, focando nas dificuldades:

Até a metade do ano eu fui bem equilibrada nos estudos, depois eu foquei muito em História, que era meu peso 3

A diferença sempre foi Matemática, que teve uma atenção especial durante todo 2017:

Eu estudei MUITA Matemática, então, sendo bem sincera, nos últimos dois meses eu só fazia exercícios – 

Só que com o passar do tempo, a Isa foi esquecendo do Plano de Estudos, pois queria estudar algumas matérias que gostava mais (e estudar menos as que não gostava). No final, isso também teve consequências:

Eu odeio Química, não gostava de assistir às aulas e terminava pulando várias delas. O Plano de Estudos é muito importante nessa hora, porque ele acaba te forçando a estudar essas coisas – 

A Evolução

No final das contas, apesar dos desafios, o caminho foi de muita evolução. Desde a vontade de sair do curso, o ano de cursinho presencial, até o 2017 de estudo com o Me Salva!. E, depois do vestibular de 2018, o sentimento de realização pessoal era inabalável:

Minha mãe corrigiu minha prova. No último dia ela falou a minha nota, eu comecei a chorar e pensei ‘se eu não passar, olha isso aqui! Deu muito certo’. Eu evolui muito como pessoa, eu passei a acreditar mais em mim –