Cada estudante tem seu método de estudo, cada pessoa tem seus gostos e preferências, mas todo mundo tem uma coisa chamada vida social! Afinal, as relações sociais fazem parte do nosso cotidiano desde que nascemos.

 

Mas, será que o ~serumaninho~ vestibulando também possui isso? 😀 – 

 

Claro que sim! No entanto, época de vestibular exige adaptação em tudo e, principalmente, busca por equilíbrio. Assim ninguém se sente “traça esquecida nos livros”.

Muita hora nessa calma!

Maria Eduarda Silveira tem 17 anos e está vivendo um ano bem puxado: pela manhã está terminando o colégio e à noite assiste aulas em um cursinho popular em Porto Alegre. Ela pretende estudar Design de Moda e está se preparando para conseguir uma bolsa em alguma faculdade particular, já que a UFRGS não oferece o curso.

“Sempre gostei de Moda. Desde criança desenhava croquis e fazia as roupinhas para as bonecas. Já pensei em fazer outras coisas, mas o curso de estilismo sempre apontou mais forte no meu coraçãozinho”, conta Maria.

4Maria Eduarda está terminando o colégio e faz cursinho à noite. Arquivo pessoal.

Já Gabriel Malta sonha com a vaga no curso de Música da UFRGS. Aos 17 anos, ele também está concluindo o Ensino Médio, mas, além dos livros, precisa se dedicar para a prova prática!

 

Em casa, meu foco é no treino para a prova prática; costumo praticar leitura de partituras, solfejo, aprender músicas novas e desenvolver minha técnica e interpretação no instrumento, que no meu caso é o violão”, diz.

 

2Gabriel também se prepara para a prova prática de Música Popular na UFRGS. Arquivo pessoal.

Quem também não tem uma tarefa nada fácil é o alagoano Silvio Peixoto, de 16 anos. Ele tentará Medicina em quatro universidades: UFAL, UNCISAL, UFPE, UPE.

A rotina é pesada: “Ao longo do ano fiz 4 isoladas [disciplinas] (Redação, Matemática, Linguagens e Química) e cursava o 3º ano pela tarde. Três vezes por semana tinha aula até às 22 horas. Nessa reta final entrei em mais 2 isoladas (Física e Humanas), uma no domingo e outra sexta à noite”, conta Silvio. Ufa! 😅

Concessões

Toda essa dedicação para o Enem e para os vestibulares acaba fazendo com que os estudantes abram mão de algumas coisinhas. “Este ano eu pretendia fazer algum estágio, mas deixei de fazer para ter mais tempo para os meus estudos, e creio que não perdi nada com isso”, afirma Maria.

 

Silvio e Gabriel também acabaram deixando algumas atividades de lado para priorizar as horas de estudo. –

 

Silvio treinava judô e Gabriel fazia dança de salão. “Na verdade, esse ano eu abdiquei de praticamente tudo pra poder estudar, mas não deixaria minha família nem meus amigos”, diz Silvio.

31Silvio treinava judô todos os dias, mas agora a dedicação é exclusiva para os estudos. Arquivo pessoal.

Segundo a pedagoga Alessandra Blando, que atua no Núcleo de Apoio ao Estudante e no Serviço de Orientação Profissional da UFRGS, abrir mão de algumas coisas para focar no objetivo por vezes é necessário. Mas ela alerta:

 

É importante manter alguns momentos de lazer, até mesmo para que isso possibilite um estudo mais proveitoso e produtivo, pois desse modo poderá distrair-se e descansar a mente para retornar aos conteúdos”.

 

E como resistir aos convites dos amigos? Tarefa duríssima: “Me convidam sempre pra jogar bola, mas eu recuso. Eles reclamam bastante, rsrsrsrs, mas acabam não podendo falar nada, pois eu estou estudando realmente para passar esse ano”, reforça Silvio.

No caso da Maria, ainda é preciso administrar o namoro. “Namoro há 1 ano e 4 meses e ele super me apoia, começamos a fazer o cursinho pré-vestibular juntos, mas ele teve que deixar, pois os horários não se encaixavam.”

E será que quem namora tem mais vantagem do que quem está solteiro? Já que podem fazer programas mais caseiros? Maria acredita que não, mas assume que não dispensa uma noite de “filminho e guloseimas”. <3

Apoio e equilíbrio

Como diz a música, tudo é uma questão de manter a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranquilo! A pedagoga Alessandra recomenda que é fundamental “criar um plano de estudos, estando atento aos horários de maior rendimento, prevendo momentos de descanso e de lazer ao longo da semana.”

E, pra isso, nada melhor que contar com o apoio de quem se gosta! 😉

 

Meus pais sempre se preocuparam com o meu desempenho na escola e agora com a questão do Enem/vestibular essa preocupação dobrou, estão sempre me cobrando e me incentivando. Não me sinto pressionada porque sei que esse é o meu dever, agradeço a todo o apoio que eles me dão”, afirma Maria.

 

Bastante focado, Silvio conta que nem é preciso os pais cobrarem para ele estudar. É a motivação pela Medicina que faz a diferença. Gabriel também destaca o apoio da família: “Tenho como objetivo de carreira profissional ser músico. Desde cedo demonstro inclinações para isso, e recebendo o incentivo dos meus familiares fui me aprofundando na área.”

5A especialista Alessandra Blando diz que é importante incluir os momentos de lazer na agenda. Anthony Delanoix/Unsplash.

Dicas, pra que te quero!

Confira as orientações que a Alessandra nos passou:

  • Faça uma agenda para sua rotina de estudos que inclua o lazer;
  • Apresente aos seus pais o seu plano de estudos, mostrando que não deixará de estudar, mas que também terá alguns momentos de lazer para conseguir lidar com o volume de estudos;
  • Não abandone tudo o que você fazia;
  • Fique esperto(a), o problema é quando o lazer se sobrepõe aos momentos de estudo;
  • Converse com os amigos e deixe claro seus objetivos; certamente eles entenderão;
  • Estudar é um processo que envolve vários fatores: clareza de objetivos, tempo, ambiente e estratégias de estudo que devem ser favoráveis para auxiliar a aprendizagem.

Conciliar estudos com vida social, realmente, não é tarefa fácil! Esperamos ter dado uma forcinha pra você se sentir menos culpado(a) e equilibrar o tempo de dedicação aos seus objetivos e o lazer! ✌ Até a próxima!