Respirar pra quê? Viver pra quê? Amar pra quê? Comer pra quê?


giphy.com

Não se faz essa pergunta para a poesia. Poesia pra quê? Ela simplesmente existe e nela vivemos. Trata-se de um movimento involuntário como o ar que entra pelas narinas, atravessa nossos pulmões, alimentando todas as nossas células. Isso também não significa que a poesia existe lá, sozinha e intocável, donde por vezes ela parte para nos encontrar.

 

A poesia é qualquer coisa que nos faz felizes em um instante de tempo entre a rotina do dia e a volta cansada pra casa; é aquilo que nos surpreende entre escovar os dentes e se olhar no espelho; é o medo de ter vivido uma vida qualquer. – 

 

Poesia não tem serventia, não se sabe pra que ela está ali. Poesia não é pra ser útil, comestível, delivery. Não me entenda mal, ela ainda é muito simples, não precisa se preparar, vestir roupa nova e passar gel no cabelo para tê-la por perto. Talvez você precise apenas de um pouco mais de atenção, de alguma dose de sensibilidade e de uma mente aberta e interessada pela vida.

Sim, poesia é vida! Parece clichê, mas é isso mesmo. Poesia pode ser aquele instante em que percebemos que vale a pena mesmo viver, que não estamos aqui por um acaso, que não estamos sozinhos. Poesia é o fôlego da vida. Não acredita? Então, ouça e veja esse poema do poeta Charles Bukowski e me diga se não…

Roll the dice – Charles Bukowski / Canal hashtagsal. Youtube.

Poesia também não são apenas versos dispostos na página, a forma da poesia é só uma parte dela. Poesia é o impossível, é aquilo que continua sem que seja realmente possível continuar.

A muitos poetas é perguntado: O que é poesia? A resposta de cada um só nos mostra que até das definições a poesia se escapa.

Aprendi com meu filho de 10 anos que poesia é o descobrimento das coisas que nunca vira antes.”

[Oswald de Andrade]

 

A poesia não se entrega a quem a define.”

[Mario Quintana]

 

Versos! Versos! Sei lá o que são versos…/ Pedaços de sorriso, branca espuma,/ Gargalhadas de luz, cantos dispersos,/ Ou pétalas que caem uma a uma…/ / Versos!… Sei lá!”

[Florbela Espanca]

 


“Você sabe, poemas não precisam sempre rimar.” Filme Moonrise Kingdom / giphy.com

No dia 31 de outubro, comemoramos o dia da poesia, que é também o dia de nascimento de um de nossos grandes poetas, Carlos Drummond de Andrade. Mas, lembre-se, pela poesia não andam apenas os grandes poetas, mas também aqueles que se escondem nas esquinas, nos bares, nas casas de chão batido em algum lugar desconhecido. É difícil dizer-se poeta em um mundo de tantas outras vantagens de se ser. É difícil dizer-se leitor de poesia em um mundo que nos diz que ela é para os fortes, os espertos, os gênios. Mas é preciso.

E não que é que pode não ser tão complicado assim? Quer ver? Faça um breve exercício:

 

Pare o que estiver fazendo por alguns minutos;

Olhe, olhe e olhe mais uma vez;

Sinta!

O que é poesia pra você?

 

Texto por Camila Alexandrini

Camila (31 anos) é professora de Língua Portuguesa e Redação no Me Salva!. Escreve porque é uma das coisas que mais lhe dá alegria, além disso, escreve para pensar em conjunto. Prefere Caetano a Gil, fica na dúvida entre Gal e Bethânia. Se arrepende de não ter ainda aprendido a falar espanhol. Diz pra todo mundo que toca guitarra, mesmo sabendo que toca mal. Ama demais sua profissão, entra sempre em briga pelos estudantes. Mas, a primeira regra do Clube da Luta é “não fale sobre o clube da luta”. 

E aí, curtiu? Então nos conta o que é poesia pra você 😉 Até a próxima!