Dados, cálculos, pesquisas e mais dados. Se você curte Matemática e a possibilidade de transitar por diferentes áreas, o curso de Estatística pode ser interessante. O trabalho envolve a coleta e análise de dados numéricos para interpretar fenômenos naturais, econômicos e sociais.

Nesse post da Série profissões, vamos conhecer a trajetória da Aisha e do Tiago pra ter uma ideia de como é viver essa escolha profissional. Partiu!

Desafio: aceito!

Aishameriane Venes Schmidt conta que a escolha pela Estatística rolou no último ano do Ensino Médio. Ela cursava a escola técnica e pensava em fazer Engenharia Eletrônica, além de também querer prestar vestibular para o ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica).

Em uma das aulas de Matemática do terceiro ano, o professor perguntou quem iria prestar vestibular e disse: “Vocês deveriam tentar Estatística!”, lembra Aisha. No mesmo semestre, o professor de Física apresentou a distribuição de probabilidade Normal (ou Gaussiana), e foi aí que o interesse pintou:

 

Eu me senti pessoalmente desafiada por aquele gráfico!” 📉

 

Aisha resolveu prestar o vestibular para Estatística por ser um curso menos concorrido e por ter pesos similares à Matemática e Engenharia. “Eu não tinha grandes expectativas e ainda tive apendicite! Fiz as provas cheia de remédios (e costurada!), mas no fim, acho que isso ajudou a não ter nenhum tipo de cobrança. Passei em 8º lugar.”

1Aisha recebeu o prêmio de melhor pôster – exposição tipo painel, comum em congressos científicos – durante apresentação na International Biometric Conference em Dublin (Irlanda), em julho de 2008. Arquivo pessoal.

O plano inicial da gaúcha de 30 anos era fazer um ano de cursinho preparatório para o ITA junto à faculdade, e depois trocar pra Engenharia. “Acabei não me adaptando ao cursinho. Vi que ficar três anos estudando para uma prova não era algo que eu estava disposta a fazer. Nesse meio tempo, tive uma aula de Introdução à Estatística, na qual o professor falou de todas as disciplinas que iríamos ter ao longo da faculdade.”

 

Novamente, senti aquela pontada de desafio pra tentar entender o que estava acontecendo e acabei gostando muito do curso.”

 

6Pra vida toda: “No dia do estatístico, em 29/05/2013, fiz essa tatuagem com o símbolo da profissão. Queria algo que fosse pra sempre na minha vida e Estatística é uma dessas poucas coisas.” Arquivo pessoal.

Formada em 2010 pela UFRGS, Aisha relembra a rotina diária: “O dia a dia do curso era: viver para o curso”. Ela encarou muitas disciplinas da Matemática como cálculos, álgebra linear e equações diferenciais. A partir do 5º semestre, vieram as específicas. “As teorias, a demonstração de teoremas e entender os cálculos das técnicas sempre foram minhas preferidas.”

 

Não é um curso que dá pra estudar na véspera da prova. Você tem que estudar constantemente.” 📚

 

2Visita da turma de Aisha à Souza Cruz na disciplina de Controle Estatístico de Qualidade, em 2008. Arquivo pessoal.

Mercado aberto

Aisha diz que a diversidade na atuação é uma das vantagens. “A mesma técnica pode ser empregada em um estudo para verificar a média salarial de pessoas com e sem graduação, e em uma pesquisa sobre o efeito de um novo medicamento (com os devidos ajustes, obviamente)”.

3Aisha (direita) no SINAPE (Simpósio Nacional de Probabilidade e Estatística), em julho de 2016, em Porto Alegre. Arquivo pessoal.

Ela até enfatizou essa característica em uma de suas primeiras entrevistas de emprego: “Me perguntaram se eu já havia trabalhado no mercado de jornais e eu respondi: ‘não, mas parafuso, jornal ou gente é tudo a mesma coisa para a equação’. A pessoa não gostou muito, mas acabei sendo contratada (não recomendo falar assim nas entrevistas 😝)”.

Mesmo estando frequentemente nas listas de profissões mais bem remuneradas, a Estatística ainda conta com poucos profissionais. “É essencial que o estatístico saiba seu potencial e enxergue os problemas para apontar soluções, pois a maioria das pessoas desconhece as ferramentas que conhecemos e tudo que podemos fazer.”

Aisha já trabalhou em hospitais, na Fundação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul, em um grande jornal e até em uma startup de Educação onde desenvolveu um produto para analisar o desempenho de escolas no ENEM.

4Equações: Prestando consultoria para treinar a equipe de uma empresa sobre um novo produto de análise de dados. Arquivo pessoal.

Sou muito realizada e não consigo me imaginar tomando um caminho diferente ❤. Estou  fazendo outro curso para complementar meu conhecimento e conciliar ambas as áreas.”

 

Hoje morando em Florianópolis e cursando Economia (ela pretende ser professora), Aisha defende uma maior divulgação da profissão. “Eu gosto dessa pluralidade de áreas em que o estatístico pode trabalhar. Muitas vagas poderiam ser ofertadas se houvesse um maior conhecimento por parte dos empregadores.”

A troca

Tiago Luís Jantsch estava cursando Administração quando teve uma disciplina de Introdução à Estatística. “Acabei me apaixonando pelo curso e troquei.” O gaúcho de 28 anos – que está no 7º semestre da faculdade de Estatística na UFRGS – conta que a mãe adorou a mudança:

 

Ela achou ótimo! Minha mãe é formada em Matemática, então adorou o filho seguir o mesmo rumo nas Exatas”.

 

5Tiago em aula: “É preciso se dedicar muito!”. Arquivo pessoal.

Tiago diz que a rotina de estudos é intensa. “Eu gosto muito das disciplinas de Planejamento de Experimentos, nas quais estudamos de fato problemas reais e suas soluções. Já Inferência Estatística e Estatística Bayesiana, sem dúvida, foram as mais difíceis, pois exigem que você se dedique muito fora da sala de aula.”

 

O estatístico é um profissional que está sempre sendo cobiçado no mercado.”

 

Após trabalhar dois anos na Prefeitura de Porto Alegre como estagiário na análise e divulgação de dados (mudanças nas características da população, infraestrutura da cidade, recursos financeiros aplicados), ele já sabe o rumo que deseja tomar: “Quero seguir no setor público e ter uma empresa de consultoria estatística”.

Se ele é satisfeito? “Principalmente na semana de provas, há dias que penso: ‘Porque escolhi este curso?’ 😅 Mas faz parte da vida acadêmica e todas as graduações têm semanas difíceis. É algo passageiro. O importante é sentir orgulho e ter prazer com o curso que você escolheu, afinal, é o que você fará da vida!”

Onde vou trabalhar?

Se você seguir o caminho da Estatística, vai poder trabalhar com:

Indústria – Analisar amostras colhidas nas diversas fases de concepção de um produto para detectar possíveis erros e escolher métodos de aprimoramento, além de realizar estudos para controle e produtividade;

Perfil de consumidores – Analisar o público-alvo de uma empresa para levantar as características dos consumidores e desenvolver estratégias de marketing e vendas;

Pesquisa – Identificar características de consumo de determinada região, classe social ou faixa etária; montar e gerenciar um banco de dados; atuar em pesquisas eleitorais;

Setor público – Atuar com levantamento e publicação de dados relativos à transparência da administração pública;

Bioestatística – Determinar métodos e organização de dados sobre pesquisas nas áreas de ciências biológicas e da saúde, como a eficácia de medicamentos;

Internet – Criar e gerenciar programas de busca, montando bancos de dados digitais;

Recursos humanos – Analisar salários e avaliar planos de saúde, fundos de pensão e planos de previdência.

Dicas, pra que te quero!

Se liga nas dicas da Aisha e do Tiago se você se interessou pela faculdade de Estatística:

  • Curta Matemática;
  • Faça a faculdade no seu ritmo. Às vezes, vale a pena levar o curso em um ritmo mais lento para poder se dedicar realmente aos estudos e viver várias experiências;
  • Não se prenda em um único estágio. Se possível, faça um por ano;
  • Estude inglês e programação. Essas duas habilidades farão a diferença pra explorar o curso ao máximo;
  • Saia da zona de conforto: tente ir além do que foi solicitado;
  • Valorize o tempo no curso: desligue o celular e participe ativamente das atividades, dentro e fora da sala de aula;
  • Se atualize! Estar por dentro das novas técnicas que surgem frequentemente é uma habilidade essencial.

Curtiu as possibilidades que o curso de Estatística oferece? Conta aí! E confere outros posts da Série profissões, nossa saga da escolha profissional. Até a próxima! 👋