Antes mesmo da histórica reaproximação de Cuba com os Estados Unidos, a professora de Matemática, Letícia Saraiva, teve a oportunidade de conhecer as cores de Havana e saber mais sobre a história da ilha, em um intercâmbio um pouco diferente. 😉

Foi durante a graduação de licenciatura em Matemática que a Leca resolveu realizar um sonho: conhecer Cuba.

O interesse pela ilha de Fidel Castro, famosa pela Revolução de 1959 na qual Che Guevara lutou, fazia com que os amigos dissessem que ela mais parecia uma estudante de Ciências Sociais!

Uma modalidade diferente

A gaúcha já havia viajado para a Nova Zelândia, em um intercâmbio para estudar Inglês. Mas foi em um bate-papo com amigos que ela ficou sabendo de algo que, segundo ela, mudaria a vida!

2Conhecer Cuba sempre foi um sonho para Letícia. Arquivo pessoal.

Depois que teve informações sobre um programa de brigadas em Havana, Leca não pensou duas vezes: “Foi algo bem sem explicação, eu já tinha um carinho pelo lugar.” As brigadas são uma espécie de missão para conhecer o país, desconstruir visões estereotipadas e valorizar a cultura cubana. Ou seja, é um intercâmbio de formação política.

Todos os anos são formadas brigadas de solidariedade com pessoas de diversos países latino-americanos, que irão desempenhar atividades voluntárias na ilha.

Letícia viajou com um dos grupos organizados pela Associação Cultural José Martí, de Porto Alegre. A Associação é encontrada em diversas cidades brasileiras, como Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Salvador e Santos.

Antes de viajar, são realizados encontros com os brigadistas para conhecer mais sobre as questões políticas do país e também para receber dicas de ex-brigadistas.

 

Fiquei encantada com a possibilidade de fazer uma formação política, um trabalho voluntário e ainda ter a oportunidade de conhecer mais cidades da ilha.”

 

1Por toda a cidade, há placas que se referem à Revolução Cubana. Arquivo pessoal.

Uma viagem ao passado

Carros e prédios antigos. Parece que é isso que todo mundo sabe sobre Cuba! O embargo norte-americano é um dos motivos que fizeram com que o único país socialista das Américas tivesse um cenário diferente.

Mas Havana é repleta de história e belezas naturais que o povo de lá parece fazer questão de preservar. Leca pôde observar tudo isso nas atividades culturais que participou, em visitas a museus, debates políticos e muito papo com os cubanos: “Eu tinha pouca referência sobre o país, as informações eram muito senso comum”.

É relativamente barato comer em Havana; você consegue encontrar restaurantes com preços em torno de vinte reais (o uso de cartões de crédito não é possível, por isso é preciso levar uma graninha!).

O transporte, apesar de bem antigo, custa cerca de um real. E as atividades culturais estão em todas as esquinas: salsa e apresentações musicais são gratuitas, mas é bom levar uma gorjeta. 🙂

Banho frio, salsa para aquecer

Foi no acampamento em que ficou hospedada que Letícia vivenciou a experiência da simplicidade dos cubanos.

 

No Campamento Internacional Julio Atonio Mella (CIJAM), ela limpava terrenos para as hortas, plantava tomate e colhia mandioca. – 

 

54Acampamento CIJAM, onde Letícia ficou hospedada. Arquivo pessoal.

Confira um dos videoclipes preferidos da Leca, que segundo ela “é uma espécie de versão cubana de pagodeiros”! 

Fonte: Youtube.

Já sobre o Brasil, o que as pessoas mais adoram é as novelas. Muitas produções daqui são importadas para Cuba e fazem muito sucesso. “Na época estava passando A Favorita lá, e eles só me perguntavam o que ia acontecer com a Flora! (risos)”, conta.

6Para Leca, a viagem para Cuba foi uma grande realização. Arquivo pessoal.

3Um dos gatinhos da Letícia se chama Fidel! Arquivo pessoal.

La vida puede más

Aos 25 anos, Letícia garante que conhecer Cuba marcou a vida dela. E se a gente quiser usar a palavra literalmente nesse texto, essa é a hora! Nas costas ela carrega uma tatuagem da ilha.

Além disso, as cores de Cuba também estiveram presentes na festa de formatura dela: decoração de temática cubana, mojitos e claro, muita salsa! Foi uma maneira de matar um pouquinho da saudade de tudo que ela viveu. 😉

7Homenagem à ilha. Arquivo pessoal.

 

De todas as memórias, a que mais emociona Letícia foi a oportunidade de conhecer as mães de dois dos cinco cubanos presos nos EUA (os chamados “heróis antiterroristas”). – 


De acordo com ela,
poder ouvir mulheres que estavam lutando para conseguir a liberdade dos filhos foi um momento único: La vida puede más, e só consegui perceber isso depois que fui para lá”, diz.

Dicas, pra que te quero!

  • Procure informações sobre o lugar que você quer conhecer com amigos que já fizeram a viagem;
  • Esteja disposto(a) a rever suas posições;
  • Esqueça o senso comum e aproveite as conversas com os nativos para aprender ao máximo;
  • Para quem for fazer as brigadas, é necessário custear a viagem com recurso próprio;
  • Sobre a Associação José Martí em Porto Alegre: http://www.josemarti.org.br/
  • Arrume a mala e vá!

Cuenta me! Gostou dessa experiência que trouxemos para você? Um intercâmbio pode significar a realização de um sonho! Até o próximo post 😉