ga('create', 'UA-40316048-1', 'auto'); ga('create', 'UA-71600057-1', 'auto', {'name':'backup'}); ga('send', 'pageview'); ga('backup.send', 'pageview');

Fifa, PES, Call of Duty, GTA e League of Legends. Esses nomes sempre são citados por pais e mães como os principais vilões na hora de estudar. Realmente: se você só jogar e esquecer as provas, livros e exercícios, os games podem se tornar os maiores inimigos dos estudos. Mas, por outro lado, se você for um jogador saudável (que sabe dividir o tempo), seus pais nunca mais terão do que reclamar muito pelo contrário!

 

Uma longa pesquisa feita pela Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, descobriu que alguns jogos podem turbinar o nosso cérebro! –

 

1Os jogos podem ajudar seu cérebro a “passar de fase”! Foto: Pawel Kadysz / unsplash.com.

Divulgada pela revista Scientific American, a pesquisa foi conduzida por Daphne Bavelier, uma especialista em Ciências Cerebrais e Cognitivas. A pesquisadora queria descobrir como tornar o funcionamento do cérebro mais rápido e inteligente. Para isso, resolveu entender como os games interferem na capacidade cerebral das pessoas. Foi aí que veio a surpresa:

 

Daphne descobriu que o estereótipo dado aos jogadores, de serem impulsivos e distraídos, era uma grande mentira. –

 

Veja os benefícios dos games para o seu cérebro:

Jogar prejudica a visão?

“Sai da frente dessa TV, menino(a)! Vai fazer mal pros seus olhos”. Quem nunca ouviu esse clássico enquanto jogava, não é mesmo? Pois, além de provar que a atividade não prejudica a visão, a pesquisa da Universidade de Rochester ainda mostrou que os jogadores enxergam detalhes melhor.

 

Pessoas que dedicam até 15 horas por semana a jogos de ação possuem melhor visão do que quem não gasta muito jogando. –

 

De acordo com os pesquisadores, os gamers enxergam melhor os pequenos detalhes, como letras muito pequenas, e apresentam maior percepção para distinguir tons de cinza. A partir da descoberta, Daphne pretende desenvolver jogos que possam ajudar pacientes com dificuldades de visão a treinarem seus cérebros para “ver melhor”.

Não se preocupe, mãe! Meus olhos estão bem! Giphy.com.

Quem joga fica desatento e distraído?

Outro grande mito derrubado pela pesquisa foi o de que os jogadores são mais desatentos e distraídos. Daphne e sua equipe fizeram alguns testes para medir a atenção dos participantes. Um dos testes, por exemplo, é aquele em que devemos dizer a cor de uma palavra escrita enquanto o que está escrito é outra cor, tipo esse. Mais uma vez, quem joga está em vantagem!

 

O cérebro dos jogadores de games de ação tem menos chances de errar. –

 

“Não estou distraído, estou muito concentrado no jogo!”. Giphy.com.

Os pesquisadores também perceberam que quem joga desenvolve uma habilidade extra: aumenta a perceptividade do que está ao redor. Ou seja, consegue dizer a cor da cortina da sala, o que a pessoa ao lado está fazendo e até reparar no vizinho passando na rua enquanto joga.

 

Essa é uma habilidade importante para motoristas, por exemplo, que precisam se manter atentos no trânsito. –

 

Agora, o objetivo da equipe é desenvolver novos jogos levando em conta o resultado da pesquisa. Assim, podemos aliar diversão e aprendizado! Que tal?

Dicas para não deixar os games atrapalharem seus estudos!

Vale lembrar que essa área de pesquisa ainda é bastante nova. Muito ainda precisa ser estudado. “Heavy users” (aqueles que jogam MUITO!), por exemplo, ainda não foram estudados. Enquanto isso, é melhor jogar de forma saudável.

Se liga nas dicas para apertar o start sem dor na consciência:

  • Controle o tempo de jogo. Coloque um despertador, se necessário, para lembrá-lo da hora que você deve parar;
  • Evite jogar mais do que 15 horas por semana. E divida esse tempo durante os dias;
  • Não vale jogar na hora em que você deveria estar estudando;
  • Não deixe de fazer outras atividades, como ir ao cinema ou sair com os amigos, para ficar jogando. Você pode fazer os dois se souber equilibrar o tempo para todas as atividades!

Curte jogar e quer saber mais sobre a pesquisa? Confere na página da Universidade de Rochester! Tem até um TED da pesquisadora explicando como tudo foi feito. Até o próximo post! 🎮🎮🎮